Sabedoria eterna (?) de grandes pensadores

“Mesmo que a conduta do marido seja censurável, mesmo que este se dê a outros amores, a mulher virtuosa deve reverenciá-lo como a um deus. Durante a infância, uma mulher deve depender de seu pai, ao se casar de seu marido, se este morrer, de seus filhos e se não os tiver, de seu soberano. Uma mulher nunca deve governar a si própria.”
– Leis de Manu (Livro Sagrado da Índia)

“A mulher que se negar ao dever conjugal deverá ser atirada ao rio.”
– Constituição Nacional Suméria (civilização mesopotâmica, século XX A.C.)

“Quando uma mulher tiver conduta desordenada e deixar de cumprir suas obrigações do lar, o marido pode submetê-la à escravidão. Esta servidão pode, inclusive, ser exercida na casa de um credor de seu marido e, durante o período em que durar, é lícito a ele (ao marido) contrair novo matrimônio.”
– Código de Hamurabi (Constituição Nacional da Babilônia, outorgada pelo rei Hamurábi, que a concebeu sob inspiração divina, século XVII A.C.)

“A mulher deve adorar o homem como a um deus. Toda manhã, por nove vezes consecutivas, deve ajoelhar-se aos pés do marido e, de braços cruzados, perguntar-lhe: Senhor, que desejais que eu faça?”
– Zaratustra (filósofo persa, século VII A.C.)

“As mulheres, os escravos e os estrangeiros não são cidadãos.”
– Péricles (político democrata ateniense, século V A.C., um dos mais brilhantes cidadãos da civilização grega)

“A mulher é o que há de mais corrupto e corruptível no mundo.”
– Confúcio (filósofo chinês, século V A.C.)

“A natureza só faz mulheres quando não pode fazer homens. A mulher é, portanto, um homem inferior.”
– Aristóteles (filósofo, guia intelectual e preceptor grego de Alexandre, o Grande, século IV A.C.)

“Que as mulheres estejam caladas nas igrejas, porque não lhes é permitido falar. Se querem ser instruídas sobre algum ponto, interroguem em casa os seus maridos.”
– Paulo (apóstolo cristão, ano 67 D.C.)

“Os homens são superiores às mulheres porque Alá outorgou-lhes a primazia sobre elas. Portanto, dai aos varões o dobro do que dai às mulheres. Os maridos que sofrerem desobediência de suas mulheres podem castigá-las: deixá-las sós em seus leitos, e até bater nelas. Não se legou ao homem maior calamidade que a mulher.”
– Alcorão (livro sagrado dos muçulmanos, escrito por Maomé no século VI, sob inspiração divina)

“Para a boa ordem da família humana, uns terão que ser governados por outros mais sábios que aqueles; daí a mulher, mais fraca quanto ao vigor da alma e força corporal, estar sujeita por natureza ao homem, em quem a razão predomina.”
– Tomás de Aquino (italiano canonizado, um dos maiores teólogos católicos da humanidade, século XIII)

“Inimiga da paz, fonte de inquietação, causa de brigas que destroem toda a tranqüilidade, a mulher é o próprio diabo.”
– Petrarca (poeta italiano do Renascimento, século XIV)

“O pior adorno que uma mulher pode querer usar é ser sábia.”
– Lutero (teólogo alemão, reformador protestante, século XVI)

“As crianças, os idiotas, os lunáticos e as mulheres não podem e não têm capacidade para efetuar negócios.”
– Henrique VII (rei da Inglaterra, chefe da Igreja Anglicana, século XVI)

“Enquanto houver homens sensatos sobre a terra, as mulheres letradas morrerão solteiras.”
– Jean-Jacques Rousseau (escritos francês, precursor do Romantismo, um dos mentores da Revolução Francesa, século XVIII)

“Todas as mulheres que seduzirem e levarem ao casamento os súditos de Sua Majestade mediante o uso de perfumes, pinturas, dentes postiços, perucas e recheio nos quadris, incorrem em delito de bruxaria e o casamento fica automaticamente anulado.”
– Constituição Nacional Inglesa (lei do século XVIII)

“A mulher pode ser educada, mas sua mente não é adequada à ciências mais elevadas, à filosofia e algumas das artes.”
– Friederich Hegel (filósofo e historiador alemão do século XIX)

E a MELHOR de todas…

“Quando um homem for repreendido em público por uma mulher, cabe-lhe o direito de derrubá-la com um soco, desferir-lhe um pontapé e quebrar-lhe o nariz para que assim, desfigurada, não se deixe ver, envergonhada de sua face. E é bem merecido, por dirigir-se ao homem com maldade de linguajar ousado.”
– Le Ménagier de Paris (Tratado de conduta moral e costumes da França, século XIV)

(postado originalmente em 27 de dezembro de 2003)

(PostRating: 0 hits today, 0 yesterday, 2 total, 1 max)