Código dos cafajestes

Título I – Dos Princípios Fundamentais

Art.1. Não ter nenhum princípio.

Art.2. Homem não trai, distrai-se.

Art.3. Nunca se deve bater em uma mulher – ela pode se apaixonar.

Art.4. Mulher bonita a gente come e apresenta aos amigos; mulher feia a gente só não apresenta.

Art.5. Usar sempre as velhas desculpas:

I – Mas eu te Amo;
II – Não vai doer nada;
III – Nunca vou te deixar;
IV – Eu estava bêbado.
V – Eu posso explicar…
VI – Vou comprar cigarro e já volto.
VII – Você é a única na minha vida.
VIII – Você vai acreditar na sua amiga ou em mim?

Art.6. Não minta. Omita.

Art.7. Cafajeste não se arrepende – se diverte com o fatídico.

Art.8. Nunca deixar os amigos porque sua namorada está chamando.

Art.9. Mesmo se for pego em flagrante, negue tudo até ela acreditar.

Art.10. Em casos de “extrema necessidade”, prometa tudo a uma mulher – elas acabam cedendo.

Art.11. Seja prevenido – leve camisinha até para velórios – mulheres são geralmente frágeis e sentimentais.

Art.12. Não perdoe – vingue-se.

Título II – Das Considerações e Desconsiderações

Art.13. Homem não tem amigas, apenas as “considera” um pouquinho mais.

Parágrafo único – A alegação de afinidades entre os dois poderá ser usada como método de convencimento para possível relacionamento sexual.

Art.14. Considera-se incluída na contagem geral a mesma mulher que, porventura, o cafajeste tenha ficado numa única noite.

Art.15. Para o disposto nesta Lei, não se considera como mulher:

I. Sua mãe;
II. Mãe de seus amigos – salvo se for do tipo “coroa enxuta”;
III. Sua irmã.

Art.16. Prima não é parente.

Título III – Das Classes e Classificações

Art.17. Os cafajestes só saem com 3 (três) tipos de mulher:

I- As nacionais;
II- As estrangeiras;
III- As extraterrestres.

Título IV – Das Cachaças e das Biritas

Art.18. Cafajeste não “toma uma”, quem toma uma é boiola.

Art.19. É vedada toda e qualquer recriminação à barriga de cerveja do cafajeste.

Art.20. Tudo é lícito quando se está embriagado.

Art.21. Nunca deixe de beber com os outros cafajestes por causa de mulher. (Vide Art. 8).

Título V – Das Bozengas e Mocréias

Art.22. Causas excludentes de anti-juridicidade.

I. Elevado grau alcoólico.
II. Ambiente favorável.
III. Bestialidade absoluta do ser.
IV. Fraqueza da carne.

Art.23. Considera-se induzimento a erro essencial, aquele que, para satisfazer interesses escusos, induzir o amigo a agarrar alguma dessas criaturas (bozengas ou mocréias).

Parágrafo único- O agente passivo está isento de culpa ou dolo.

Disposições finais

Art.24. Vetado

(postado originalmente em 07 de junho de 2002)

(PostRating: 0 hits today, 0 yesterday, 37 total, 3 max)