Your Lady’s Trick

Taí um texto que mudou a minha vida. Desde que eu li, nunca mais ouvi a música do Dire Straits da mesma maneira. Mas onde foi que eu li mesmo? Por anos eu fiquei com essa dúvida até que, no desespero, apelei. E descobri onde essa pérola foi postada: no VIRUNDUNS, onde mais poderia ser? O texto é virundístico mas é até anterior à idéia dos Virunduns.

YOUR LADY’S TRICK
Priscilla Ramos

Outro dia, sem ter mais o que fazer nessas férias, resolvi tirar a letra de Your Latest Trick, do Dire Straits. Pra quem não lembra deste clássico, é aquela música com saxofone, que bem poderia ser trilha sonora de um comercial de motel no rádio. O resultado da empreitada foi bem legal, porque consegui fazer uma letra que se encaixava (quase que) perfeitamente na pronúncia do cara, mas que não tinha nada a ver. Depois, quando fui verificar a verdadeira letra, morri de rir, e percebi que a letra verdadeira tinha, sim, algum sentido.

Existe até um site na internet dedicado aos “misheard lyrics”, ou seja, as letras que você ouviu errado. Acontece que, quando você interpreta mal o que ouve, o resultado é na maioria das vezes uma letra surreal, sem nexo, mas infinitamente mais interessante do que o original. Por exemplo, sempre achei que Cazuza dissesse, “se ninguém olha quando você passa você logo diz, “BAGAÇO!”, cê acha que não tá légal…”. Quando descobri que era “palhaço”, e não bagaço, me decepcionei. Afinal, todo mundo se sente um bagaço imprestável, indigno da admiração alheia, e não um palhaço.

Mas vejamos como ficou Your Latest Trick, na minha versão, ou melhor, “Your lady’s trick” (seu truque de mulher):

Nota: todos os erros de inglês estão aí de propósito.

All the late night bodies have been struck
Todos os corpos da madrugada foram golpeados

Between the seven balls and the bells
Entre as sete bolas e os sinos

Pre-historic orbit strucks
Órbitas pré históricas batem (ok, “strucks” não existe)

As the city to themselves
Como a cidade para eles próprios

Echoes in noise dinosaurs
Ecoam no barulho dinossauros

They’re all doing the monster match
Todos eles estão jogando a partida dos monstros

And most os the taxis, most of the whores
E a maioria dos taxis, a maioria das prostitutas

Are only taking calls for cash
Estão apenas aceitando chamadas por dinheiro

Mm, I don’t know how it happened
Mm, eu não sei como aconteceu

It all took place so quick
Tudo aconteceu tão depressa

But all I can do is hand it to you and your lady’ s trick
Mas tudo o que eu posso fazer é entregar tudo a você e seu truque de mulher

Análise do 1º verso:

O que vemos aqui é um mundo caótico e sem perspectivas, (totalmente Blade Runner!) em que pessoas são espancadas tarde da noite, entre sete (número cabalístico) bolas e sinos, configurando claramente um ritual satânico. O clima de violência é acentuado pelas “órbitas pré-históricas que batem” (uau, o que seria isso?), como a cidade para eles próprios. A carnificina continua com a impressionante partida dos monstros, em que os dinossauros têm o papel principal, apavorando a metrópole com seus gritos ensurdecedores. Neste cenário desolador, o que resta é um Mark Knopfler desesperançado, cuja única salvação é entregar tudo a uma misteriosa mulher e seus truques, pois os táxis e as prostitutas só estão aceitando chamadas por dinheiro…snif…

When now my door was standing open
Quando agora minha porta estava aberta

Security were late back in lads
A segurança estava atrasada atrás nos rapazes

And it was only my heart, got it broken
E foi só meu coração, foi partido

You must have had a past key made out of wags
Você deveria ter uma chave do passado feita de sacudidelas

You played rubbery with insolence
Você brincava de elástico com insolência

And I played the blues in 12 bars down in Lover’s Lane
E eu tocava blues em 12 compassos na Alameda do Amor

And you never did have the intelligence to use the 12 keys hanging off of my chain
E você nunca teve a inteligência de usar as 12 chaves pendendo da minha corrente

Análise do 2º verso:

Mesmo com toda a violência do lado de fora, Mark deixou a porta aberta. A segurança estava atrasada, pois estava mais entretida lá atrás com os rapazes (ou lá atrás dos rapazes? Nos rapazes? Mm, muito suspeito…). Trata-se de uma referência à minoria gay da metrópole, e ao mito da potência dos homens de farda, no caso, os seguranças. Enquanto isso, Mark chorava as mágoas por ter seu coração partido. A mulher misteriosa tinha uma chave do passado feita de sacudidelas. Impressionante! Tratava-se de uma paranormal, que, sacudindo o incauto apaixonado, conseguia uma chave para as portas do inconsciente, revelando os mistérios do passado! Em outras palavras, ela sabia técnicas de hipnose. No entanto era insolente, pois brincava de elástico (esse é o ponto alto da minha tradução!) enquanto Mark fazia seu trabalho, tocando blues na Alameda do Amor. Romântico, não?

Análise do refrão:

Tendo elucidado uma parte importante da música, já é posível compreender o refrão: Mm, não sei o que aconteceu Tudo aconteceu tão rápido (ou “Foi mais rápido que um piscar de olhos” – na 3ª vez) E tudo o que tenho a fazer É entregar tudo a você E seu truque de mulher Trata-se da descrição do processo de hipnose ao qual Mark foi submetido, através da interferência da mulher misteriosa. Na verdade, a hipnose nada mais é do que um truque. Um truque de auto-sugestão! Repare que, no momento da perda da conciência, Mark nos conta como foi rápido e inexplicável. Alguma semelhança com Arquivo X?

Well let’s pass last call for alcohol
Bem, vamos passar a última chamada para o álcool

Best recall has been here and gone
A melhor lembrança esteve aqui e já foi

The landlord, he finnaly played us all
O senhor da propriedade, ele finalmente “nos brincou” todos

The seven chairs made of put away their homes
As sete cadeiras feitas de colocar de lado suas casas (!)

And were’re standing outside of this wonderland
E estamos aqui do lado de fora desse país das maravilhas

Looking so grief and so bereft
Parecendo tão “sofridos” e tão privados

Like a Bowery bum when he finnaly understands
Como um vadio do Bowery quando ele finalmente entende

The bottle’s empty and there’s nothing there
Que a garrafa está vazia e não tem nada lá

Análise do 3º verso:

Neste ponto, a interpretação torna-se cada vez mais difícil, pois agora estamos dentro da mente de Mark Knopfler! Não é de se estranhar que tudo pareça surreal: estamos a um passo de desvendar (ou não) seu inconsciente. Comecemos pela primeira frase: “…passar a última chamada para o álcool”. É a personificação da bebida alcoólica! Não é a primeira vez na música que conceitos abstratos ou inanimados se propoem a atender o telefone. Até os Beatles já trataram do assunto nos versos “Sunday’s on the phone to Monday/Tuesday’s on the phone to me, oh yeah…”.

A viagem segue com a constatação de que a melhor lembrança esteve lá, mas já foi. O senhor da propriedade brincou com todos, e então apareceram as sete cadeiras feitas de “deixar de lado suas casas”. Surreal! O sete, bem como outros números cabalísticos, reaparece para reafirmar o caráter místico da música do Dire Straits. E então eles se vêem fora desse país da maravilhas, tão desprovidos de cuidado. É uma figura de linguagem que nos informa o momento exato em que Mark retorna à sua plena consciência, após a sessão de hipnose. Então ele finalmente se dá conta que a garrafa está vazia e não sobrou nada.

Mas afinal, qual seria o verdadeiro tema de “Your Lady’s Trick”? Caos? Paranormalidade? Uma fábula sobre a solidão do homem diante da magnitude da metrópole? Talvez tudo não tenha passado de um porre.

(postado originalmente no Virunduns em 8 de agosto de 2003)

(PostRating: 0 hits today, 0 yesterday, 9 total, 2 max)