BarCamp, eu fui!

BarCamp

Ontem aconteceu a primeira desconferência em terras cariocas, mais precisamente no RDC da PUC-Rio. Tenho muito para contar.

Não cheguei muito cedo mas vim preparado: com a câmera nova e com o gravador para os podcasts. Cheguei e já recebi os brindes: camisa preta, duas passagens de metrô e um mapa do metrô, graças à parceria que o Nick Ellis conseguiu, um verdadeiro achado.

Nem precisei procurar, encontrei logo os conhecidos: Ian Black, Marmota, Viva, Fugita, Gejfin e Cardoso. Depois do farto café da manhã, entramos no auditório e o Nick e o André Avório (que trouxe o conceito BarCamp para o Brasil) explicaram todas as regras do BarCamp. Então foram todos definindo numa grade as pautas que foram expostas no auditório e nas mesas do lado de fora do RDC.

Estive basicamente no auditório. Devo lembrar que era um BarCamp, muito mais abrangente do que um BlogCamp, com pautas sobre o impacto das tecnologias na sociedade. Um exemplo foi o que a Miss Moura expôs. O tema foi o uso do Orkut no relacionamento entre empresas e consumidores, as razões que levam os orkutianos a criar comunidades de ódio (ou amor) a alguma empresa ou produto e por aí vai. Logo depois houve um debate bem amplo sobre pirataria e distribuição de mídia, iniciado por um tal Galileu da Microsoft, foram citados como exemplos primordiais Tropa de Elite e a nova obra do Radiohead. Cris Dias, Fábio Fzero e Mr Manson, o próprio, deram muitos pitacos. A certa altura do debate Nick e André tiveram que virar bedéis (num BarCamp em Bruxelas tinha até um cara com um sininho avisando que acabou o tempo) e por ordem na casa. Aqui eu fui almoçar com bastante gente.


Cardoso comendo salsinhas

Depois do almoço (não sei o que estava acontecendo durante; o BarCamp não parou para almoço), aconteceu uma das palestras mais aguardadas, sobre o Interney Blogs. Os seus mentores, Edney e Inagaki, contaram tudo naquele jeitinho deles.

A seguir veio uma exposição sobre arte multimídia com a Liana Brazil e o Russ, do SuperUber. Muitas exposições com alta tecnologia em todo o mundo tiveram o dedo deles: uma no CCBB de arte africana em 2003, uma sobre o Pelé na Alemanha, uma no Museu da Língua Portuguesa em SP e outra em Porto Alegre. Essa teve um bom público. A Liana arrancou alguns suspiros entre OS presentes. Ela também escreve na coluna Interface do JB Online.

A última apresentação foi de um tal Descolando (não consegui acessar o site; talvez ainda não esteja em produção), uma rede social para universitários, com destaque para as críticas de professores. Enfim, um exemplo de Web 2.0, mas aquele não era bem o público ideal para eles.

Enfim, o encerramento. O final foi no Garota da Gávea, ali no Baixo, não sei se aconteceu a tal palestra do Cardoso sobre os debates. Ou a do Ian sobre “Técnicas de Blogagem pra Pegá Mulé” (indubitavelmente a mais sincera sugestão entre as pautas). Era tanta gente, mas tanta gente, que precisou de pelo menos três espaços. Segundo a Viva, foi tudo uma ótima desculpa para a blogosfera de São Paulo (e outros lugares) vir em peso para o Rio. Há até uma disputa de “quem fica menos tempo no Rio”; por enquanto quem está ganhando é o Inagaki.

Algumas boas conversas que tive foram com a Denise, com o já citado Mr Manson, com o Noel e outros. Estavam lá figuraças como a Madame Bela, os caras do Jovem Nerd (que deram uma camisa tamanho PP para o Ian), o simpático casal Mirian e Mobilon, o Ligeirinho (que eu não via desde a Rio Blog Party), o Navarro do Dinheirama, a Patrícia do Santa Mistura (que tudo entende de moda), o Opiumseed (que quer fazer o primeiro Barcamp sobre videogame), a Maffalda e muito mais.

Meu registro fotográfico

Registro fotográfico do Blog Rio Temporada

Atualizando: o Nick incluiu uma das minhas fotos no seu post sobre o BarCamp.

(PostRating: 0 hits today, 0 yesterday, 3 total, 2 max)