Um causo de primeiro de abril

No final da década de 70 existia uma revista chamada “Nova Eletrônica”, bastante conhecida pelo pessoal do meio. Dentre revistas nacionais, era a melhorzinha da época.

Ocorre que num dia primeiro de abril a revista gringa Audio resolveu publicar um artigo sobre um novo e revolucionário sistema de tocar discos de vinil (naquele tempo não existia CD), desenvolvido por uma firma americana chamada Lirpa Laboratories. A primeira pista já está no nome, pois “Lirpa” é “April” ao contrário.

O tal toca-discos, também chamado de VDRS (Vehicular Disc Reproduction System, ou seja, Sistema Veicular de Reprodução de Discos) consistia em uma base fixa, onde ficava o LP, que não rodava, e uma cápsula móvel, com rodas, que girava em cima do disco que nem um carrinho de autorama.

Havia toda uma descrição técnica sobre as vantagens do sistema e uma observação, que na verdade era outra pista: o tal “carrinho” com a cápsula fonocaptora se comunicava com a base através de freqüências de banda S, que poderiam ser perigosas para a saúde, de modo que só se podia ouvir música no novo sistema usando uma roupa blindada, semelhante a um traje espacial, fornecido pela própria Lirpa.

Pois o pessoal da Nova Eletrônica nem de longe desconfiou do absurdo do texto e publicou a matéria traduzida dois meses depois, ou seja, em junho.

Quem descobriu o mico e revelou pra todo mundo foi o Pasquim. A própria revista nunca desmentiu a história do “sistema revolucionário”.

(postado originalmente em 05 de abril de 2003)

(PostRating: 0 hits today, 0 yesterday, 11 total, 3 max)