Helpdesk medieval

E se o mundo de fantasia medieval dos RPGs tivesse um helpdesk? Como seriam as perguntas? E quais as respostas? Confira do ponto de vista de um dos atendentes!

*telefone toca*

SUPORTE – Suporte técnico de aventura medieval, Arthur falando, por favor informe a Classe de Personagem.

CLIENTE – Eu sou Thunder, o matador de orcs e dragões e mortos-vivos e homens-lagartos, sou do GURPS e sou guerreiro.

SUPORTE – Pois não senhor, qual o seu problema?

CLIENTE – Eu encontrei uma armadura muito legal, toda negra com uma caveira prateada no peito. Eu a vesti e agora estou me sentindo estranho.

SUPORTE – Um momento senhor. [botão MUTE ligado] – Outro idiota que usou um item mágico sem saber o que era. Eu falo pra você Damian, um dia alguém vai aprender a descobrir a natureza das coisas antes de utilizá-las. E eu espero que esse dia não chegue logo, ou não estaríamos aqui! Hahaha! [botão MUTE desligado] – Senhor, poderia me dizer se essa caveira tem olhos flamejantes e dentes amarelos?

CLIENTE – Hmmm… sim, tem.

SUPORTE – O Senhor está amaldiçoado por um clérigo da morte. Sugiro que procure um templo e leve 600 peças de ouro para retirar a maldição. Caso contrário, em três dias o senhor será um morto-vivo para sempre.

CLIENTE – Três dias? Mas isso foi anteontem! Isso quer dizer que…?!

SUPORTE – Isso mesmo. Boa tarde.

*telefone desligado*

– Eu peguei esse emprego de suporte porque quero terminar meus estudos. Ser um mago elemental não é tarefas das mais baratas sabe? E a minha bolsa ficou reduzida por causa da mudança de conde, isso não foi legal. Então eu aceito esse tipo de coisa. Bom, a quê temos que nos sujeitar para ganhar algumas peças de ouro né?

*telefone toca*

SUPORTE – Suporte técnico de aventura medieval, Arthur falando, por favor informe a Classe de Personagem.

CLIENTE – AAAAAAGH! SAI DAQUI BICHO FEIO!

*barulho de coisas se quebrando*

SUPORTE – Por favor informe a Classe de Personagem, senhor.

CLIENTE – eu sou um Clérigo de AAAAAAH! SAI DAQUI! SAI! SAAAAAI!

*gritos de alguma criatura no fundo*

SUPORTE – *silêncio*

CLIENTE – Eu fui chamado para expulsar o demônio de uma jovem adolescente, mas parece que meu Poder da Fé não funciona com ela!

SUPORTE – O senhor tem a perícia Expulsar mortos-vivos?

CLIENTE – SOLTA A SUA MÃE!!! Hun… perícia? Sim, tenho, comprei logo que me formei clérigo.

SUPORTE – Senhor, para utilizar esta perícia o senhor precisa ter um símbolo de fé, geralmente o senhor o recebe logo que se forma clérigo.

CLIENTE – Aah… sim! A cruz! Mas como a utilizo AAAAAAAAH!

*mais barulhos de coisas quebrando e algo sendo dito em uma língua impronunciável por uma voz grave*

SUPORTE – Por favor senhor, preciso que siga minhas instruções ou não poderei ajudá-lo.

CLIENTE – Mas ela está tentando me morder!

SUPORTE – Senhor, fique calmo e apenas faça o que direi está bem?

CLIENTE – Está bem.

SUPORTE – A jovem tem quantos anos?

CLIENTE – Me parece ter presenciado 17 luas já.

SUPORTE – 17? Um demônio menor está nela, pois é o que uma pessoa de 17 aguenta. O senhor tem alguma perícia de combate físico?

CLIENTE – Combate físico? Eu não!

SUPORTE – Senhor, deixe que ela se aproxime e ofereça sua canela para ela morder.

CLIENTE – *alguns instantes em silêncio* … está bem. Espera.

*barulhos de provocação e um grito*

CLIENTE – Ela está com os dentes na minha canela! Isso dói!!!!

SUPORTE – Segure-a com uma das mãos pelo pescoço e a erga acima de sua cabeça senhor.

CLIENTE – Mas eu não tenho força para isso…

SUPORTE – É Poder de Fé, pode ficar tranquilo.

CLIENTE – Está bem, espera aí…

*barulho de alguém se engasgando*

CLIENTE – Pronto. Ela parece estar sofrendo um pouco. *barulho de vômito ao fundo* Droga, ela vomitou em mim.

SUPORTE – Muito bem. Agora olhe-a nos olhos e repita comigo.

CLIENTE – Está bem.

SUPORTE – “CRIATURA MALIGNA! EU EXIJO PELOS PODERES DE MEU DEUS QUE VOLTE PARA O SEU PLANO! SAIA QUE ESTE CORPO NÃO TE PERTENCE! EU TE EXCOMUNGO DE VOLTA PARA O LIMBO DE ONDE VEIO!”

CLIENTE – *repete as palavras exatamente*

SUPORTE – Agora pegue seu símbolo de fé e coloque na testa dela.

*barulho de algo quente sendo mergulhado na água fria, seguida de um grito*

CLIENTE – Deu certo! Ela caiu desmaiada e com a cor normal no chão! Obrigado!

SUPORTE – Há algo mais em que posso ajudá-lo?

CLIENTE – Gostei desse lance da violência. Acho que vou me tornar um guerreiro. Depois eu ligo, tchau.

*telefone desligado*

– É esse tipo de cliente que eu gosto. Eles têm problemas, eles ligam, fazem o que nós dizemos para que façam, e todos ficam bem no final. É horrível quando ligam para cá aqueles malditos multi-classe, querendo saber por que suas malditas espadas não absorvem magia. Odeio isso. O cara luta duas semanas com uma espada, entra em uma escola de magia e em quinze dias já se sente pronto para sair tentando encantar armas. Sabe que uma vez…

*telefone toca*

SUPORTE – Suporte técnico de aventura medieval, Arthur falando, por favor informe a Classe de Personagem.

CLIENTE – EU TENHO FOME!!! FOMEEE!! ELA ESTÁ ME DOMINANDO!!!

SUPORTE – Tem fome do que senhor?

CLIENTE – Não sei! Algo me atacou noite passada… eu senti tontura, desmaiei e tive visões. Quando acordei, minha família estava morta. E eu olho os corpos caídos, sangrando… e eu sinto fome!!!

SUPORTE – Senhor, pode me dizer sua classe de personagem?

CLIENTE – Eu sou um Brujah de 13ª geração.

SUPORTE – Lamento, mas o senhor ligou para o Suporte de Aventura Medieval. A menos que o senhor tenha problemas com Orcs, espadas ou magia, não poderei ajudá-lo. O número do suporte para vampiros é 555-BITEME.

*telefone desligado*

– Isso eu já não suporto muito. Eu fiz duas semanas de treinamento, aprendi a falar élfico, anão e até bugbear. E o cara me liga chorando porque virou um vampiro. Eu soube de um atendente que orientou um cliente desses que ligou errado a se dar um tiro com uma besta no coração. É o que eu queria fazer, mas eu soube que o atendente foi mandando embora. Isso quando não são os lobisomens que ligam. O último que ligou eu dei o telefone de um Pet-Shop.

*telefone toca*

SUPORTE – Suporte técnico de aventura medieval, Arthur falando, por favor informe a Classe de Personagem.

CLIENTE – Eu sou Atheia Krimaud Andersten.

SUPORTE – Por favor, informe a Classe de Personagem.

CLIENTE – Eu sou um Andersten! Entre meu povo, Andersten significa “aquele que luta com duas espadas montantes e caminha ileso sobre as chamas”.

SUPORTE – Por favor senhor, informe a Classe de Personagem.

CLIENTE – Eu sou um seguidor do fogo, guardião do templo do sol, portador das espadas gêmeas de…

SUPORTE – Senhor, a CLASSE DE PERSONAGEM, ou terei que terminar esta ligação!

CLIENTE – Guerreiro nível 18.

SUPORTE – Ótimo. Qual seu problema?

CLIENTE – Tem um OGRO aqui. E estamos com um problema. Eu tirei um dano crítico. E ataquei com as duas espadas. E o dano foi DOBRADO! OU SEJA, ELE MORREU! MAS ELE NÃO QUER MORRER! ELE ESTÁ AQUI FALANDO QUE NÃO MORREU!

SUPORTE – Vamos manter a calma senhor, por favor. Pode me informar seu valor de Força?

CLIENTE – EU TENHO FORÇA 25! COMPREI CADA PONTO HONESTAMENTE!

SUPORTE – Estilo AD&D ou D&D terceira edição?

CLIENTE – AD&D.

SUPORTE – Está bem. Qual o dano das suas armas?

CLIENTE – As espadas gêmeas de Igshar, o deus do fogo dos Andersten, foram forjadas em tempos imemoriais. Acredita-se que foi o próprio Igshar que…

SUPORTE – Senhor, por favor, números, sem o lado emotivo. Queremos o Ogro morto logo não?

CLIENTE – 1d10, + 1d4 quando estão flamejantes e elas estavam, + 3 contra criaturas malignas e o Ogro é maligno, + 5 contra criaturas maiores que 2 metros e o Ogro é maior que dois metros, e + 10 quando as uso no meu templo.

SUPORTE – Está bem, um instante senhor. [botão MUTE ligado] – Outro cara reclamando do “monstro que eu não consigo vencer”. Depois de passar do nível 10, todo guerreiro acha que os inimigos devem morrer se ele apenas espirrar do lado. Ridículo. Outro dia ligou um cara aqui reclamando que usou a magia Sono e deu um golpe de adaga na nuca do dragão e o dragão não morreu. Eu posso com uma coisa dessas?

[botão MUTE desligado]

SUPORTE – Senhor Atheia, pelas minhas contas, o senhor causou com seu ataque o total de 64 pontos de dano com cada arma, o que dá 128 pontos, mais a Força. O Ogro deveria estar morto.

CLIENTE – Então, eu falei para ele! Mas ele disse que não morreu! Eu não posso aceitar isso! A árvore atrás dele ficou despedaçada com o meu golpe!

SUPORTE – O senhor disse árvore?

CLIENTE – Sim! E por pouco eu não o jogo no rio que tem ali embaixo! Esse filho da p*** não quer morrer, c******!

SUPORTE – Senhor Atheia, suas espadas são +10 quando usadas no seu templo apenas. Isso tira… hmmm… peraí… Iniciar… Programas… cadê? Ah, Acessórios… aqui, Calculadora. Menos 10… menos 10… menos o dobro… então são menos 40…

CLIENTE – *silencioso*

SUPORTE – O senhor não tinha os bônus por lutar em seu templo. Então, menos 20 de cada arma, que eram +10 vezes dois, o senhor deduz 40 pontos do seu dano total. O senhor causou 88 pontos de dano no Ogro mais bônus de Força.

CLIENTE – OITENTA E OITO E ESSE C**** não morreu? Ah, vai se F****! Que P*** de Ogro é esse? Todo Ogro morre com 88 pontos de dano! Por que esse filho da P*** não morre?

SUPORTE – Senhor, talvez o Ogro precise de mais dano, ou algum item especial para feri-lo. Já lhe ocorreu que podem haver variações nas raças, ou mesmo invocações mágicas que alteram as características básicas de algumas criaturas?

CLIENTE – Variação eu vou fazer no seu c*, seu v**** frutinha! Ou esse Ogro cai morto agora, ou cai você!

SUPORTE – Senhor, o senhor está me forçando a terminar esta ligação.

CLIENTE – VAI PRA P*** QUE TE PARIU! É F***, EU JUNTO PONTOS DE EXPERIÊNCIA PRA C****** E AGORA NÃO POSSO MATAR UM SIMPLES OGRO? AH, PEGA NO MEU P**! E EU VOU ATÉ AÍ PRA QUEBRAR A SUA CARA!

SUPORTE – Senhor, essa conversa está sendo gravada, além do fato de nossa equipe de segurança já estar sendo alertada para o caso de sua presença em nossas instalações. E o senhor tem um Ogro que resistiu a 88 pontos de dano na sua frente. Se tiver algo a resolver, resolva com ele. Essa ligação está sendo encerrada.

*telefone desligado*

– C*****, agora quem estressou fui eu. Damian, atende pra mim agora? Eu vou tomar um café e ler um pouco o manual de live. O meu supervisor disse que vai me passar pra atender eles também. O que a gente não faz por algumas peças de ouro…

(postado originalmente em 16 de maio de 2003)

(PostRating: 0 hits today, 0 yesterday, 6 total, 2 max)