Numerologia

Infelizmente esta palavra deveria ter um significado diferente do qual é conhecido e usado. Esta palavra que tem o seu significado de ‘estudo dos números’, é usada indevidamente e surrupiada pelo esoterismo.

Ora! Os números são ferramentas da Ciência, que são alias as principais ferramentas da abstração mental humana, pois sem ao menos se ter noção de abstração numerológica não há o que se concebe ser uma mente “superior”. Isto é, você nem ao menos seria capaz de convivência social humana, e nem poderia estar lendo isto aqui. Não se preocupe! Você não precisa ser nem um pouco bom em Matemática! A noção numerológica em você é inerente e “inconsciente” na sua própria estrutura mental, na sua forma básica mas essencial.

O absurdo é que os numerólogos esoteristas acham que esta sua profissão é científica, portanto querem afirmar que a numerologia esotérica é ciência aplicada. Lógico! Aplicada na fantasia. E se você se orienta na fantasia, você sincroniza, dá atenção e se orienta na fantasia, ouve os fantasiosos e se submete a um modo de vida absurdo. No absurdo de você acreditar e achar que está na rota certa da sua vida, mas perdendo a noção real das oportunidades reais que você está perdendo.

O certo é que aqueles que se dedicam à numerologia são preguiçosos e desvirtuados da ampla realidade das possibilidades tecnológicas. Passam assim a ser carrapatos sociais, usados pelos sistemas sociais adjetos, para confundir as pessoas frustradas que as procuram. Muitas vezes frustradas por causa primária de uma educação escolar científica básica ineficiente, que fomenta a confusão mental, bem vinda pelos usurpadores poderosos do poder político e social.

A princípio é bom entender que números são simplesmente números, e que a sua forma de expressão é variada conforme a necessidade ou cultura de origem. A abstração matemática mental é tão abrangente e flexível, que você pode usar de diversos sistemas de contagem, para diversos modos de raciocínios. Portanto a contagem que a numerologia usa de 1 a 9 mais o zero recente, como um princípio fixo de lei natural é completamente inviável, e não tem nada haver com as fórmulas científicas que usam os diversos números apenas como linguagem. É lógico, que para um ignorante em ciência matemática os números são misteriosos. Mas é apenas impressão. E o impressionismo ingênuo é usado pelos espertos, para se alardear uma mentira como verdade. Agora! O mais absurdo é que a maioria dos espertos propagadores da numerologia são ignorantes, impressionados pelas suas próprias mentiras.

TABELA NUMÉRICA

1 2 3 4 5 6 7 8 9
A B C D E F G H I
J K L M N O P Q R
S T U V W X Y Z

Você ao observar a tabela de cima deve se achar um idiota, ao pensar um dia ter acreditado nisto. Se não, preste mais atenção, e observe a tabela.

1) São nove números. O zero ou o vazio antigamente era considerado maligno pelos mistificadores e esotéricos de carochinha. O zero é tão fundamental, pois que, a Ciência é tão incrível que sem o zero nada do que você vê e vive hoje seria possível. Imagine então ver isto sem o zero nesta tela de imagens geradas digitalmente através deste computador!

2) Numerar os números dando vibrações físicas e espirituais a eles é simplesmente ridículo. Correspondendo eles ao alfabeto em sincronia espiritual é simplesmente loucura. a) o alfabeto tem esta ordem por simples convenção; b) existem alfabetos, e não somente este; c) e os outros alfabetos de outras origens étnicas? d) uma letra tem diversas entonações, e muitas vezes distintas de uma linguagem ou dialeto de outras, são na verdade milhares de sons e entonações, cada qual vibrando em sintonia própria.

3) O alfabeto é apenas uma pequeníssima parte dos sons, das vibrações sonoras. Mas é uma ínfima parte mesmo!

4) Os números podem ser usados como nomenclatura racional de 0 e 1 (base 2), para infinitas composições de bases numéricas. O certo então para aquela tabela acima seria uma numeração de base 26. A idiota da cabala por exemplo usa a base 22 no seu alfabeto. Idiota porque… e esta base 26? Ela não pertence ao Deus judeu?

5) Relacionar o nome, data, e outras coisas à numerologia como uma programação físico-espiritual de destino, é forçar a barra da incompetência de viver a própria vida. O nome de um recém nascido é manipulado e dado pelos parentes e sociedade. Em verdade o nome não é a pessoa, é apenas uma identificação de chamada. Relacionar o nome a si próprio é insanidade.

O interessante é que os(as) numerólogos(as) usam da expressão: “No Universo tudo é vibração”, como um refrão para afirmarem a veracidade da aplicação numerológica! Será que eles não se tocam de quão ridícula é a numerologia perante tão tamanhas grandezas já descobertas? O que me espanta é o esforço dedicado por alguns numerólogos ao estudo e ao entendimento de algo tão inútil para a vida, mas talvez deva ser bom para os seus bolsos.

Mas a maior pergunta é: Qual é a vibração do número 1? Onde neste Universo, ou nos céus, ou nos infernos, está a vibração do número 1? Onde está o número 1? É uma pergunta simples! Mas, onde está a força gravitacional? Ora! também está aí onde você está. Uma fórmula é apenas um referencial. Mas, onde está o número 1? Ora! Os números não existem, eles são apenas análises comparativas, que podem ir dos zeros aos infinitos, dependendo do trabalho e da análise comparativa do estudioso nas inferências científicas ou mesmo lúdicas.

Entenda! A vida não é matemática, mas você pode olhar para ela matematicamente. Da mesma forma como sonhadoramente. Ou mesmo sonhar e fantasiar matematicamente o que você enxerga. A liberdade é sua! Escolha: entre a verdade e a fantasia. O problema é seu. Ora! O Pitágoras (muito usado como referencial da numerologia) era um bom matemático, mas sobretudo ele escolheu a fantasia, fazendo da matemática um modo ilusionado de ver o seu próprio mundo e ensinando aos outros esta loucura.

E não se esqueça de que o ‘A’ também não existe como realidade. O que existe é a identificação gráfica e sonora de um modo de comunicação. isto significa que você pode mudar a grafia do ‘A’ e dar a mesma sonoridade a esta nova forma gráfica inventada por você. E também usar da grafia ‘A’ e dar uma outra identificação sonora para ela. Ou mesmo você pode eliminar na sua convenção de comunicação a grafia ‘A’ e a atual sonoridade correspondente, sem prejuízo algum para a sua vida. Tanto os números quanto as letras, e mesmo quaisquer símbolos, são apenas modos convencionais de comunicação, que podem variar imensamente na composição de grupos diferentes de seres inteligentes. Que por serem inteligentes necessitam nas abstrações, de convenções simbológicas de comunicação e formulação de pensamentos.

(postado originalmente em 26 de setembro de 2003. Esse texto foi publicado originalmente em um blog chamado Abaquar, que existia no Blogger da Globo.com mas não existe mais. O autor se identificava apenas como “Abaquar”.)

(PostRating: 0 hits today, 0 yesterday, 26 total, 4 max)